JACÓ & JACOZINHO

JACÓ & JACOZINHO

Nascidos em Assis-SP, filhos de Gabriel Jacob (1902 - 1979) (grande catireiro paranaense conhecido como Jacó da Viola) e de Dona Maria Joana de Jesus (1911 - 1982), Jacó e Jacozinho formaram a dupla a partir do Trio Flor da Mata, que era formado por três filhos do casal (Alguns biógrafos costumam mencionar Caviúva-PR como sendo a cidade-natal da dupla, no entanto, a informação de que a família é natural de Assis-SP, foi fornecida pelo próprio Pedro Jacob, que integra atualmente a dupla com Jacozito, conforme mencionado mais adiante).
Gabriel Jacob e Maria Joana tiveram um total de 9 filhos, os quais tomaram diferentes rumos; foram eles: José Jacob (1932 - 1972), João Jacob (1934 - 1981), Antonio Jacob (1938 - 1981), Benedito Jacob (1942 - 1965), Sebastião Jacob (1943 - 1981), Amado Jacob (06/04/1944 - 06/2001), Aparecida Jacob (1946), Pedro Jacob (04/10/1948) e Inês (1950).
A família de Jacó e Jacozinho teve na verdade uma vida repleta de problemas, muitas tristezas, muitos altos e baixos, intrigas e muitos desentendimentos, inclusive entre os próprios irmãos e integrantes da dupla que, diga-se de passagem, não foram apenas Antônio e Amado Jacob, ou Pedro e Amado Jacob, como muitas referências bibliográficas mencionam. Na verdade, existiram diversas pessoas que formaram a dupla que se chamava "Jacó e Jacozinho", principalmente a partir do início da década de 1980, após o falecimento do Antônio Jacob, como será visto mais adiante.
A dupla que se iniciou com o nome "Jacó e Jacozinho" era formada por Antonio Jacob e Amado Jacob. Outras referências bibliográficas apontam Pedro Jacob e Amado Jacob como sendo os integrantes originais da dupla, no entanto, Pedro, que era o oitavo filho do casal, costumava substituir um ou outro em shows e no rádio quando acontecia algum imprevisto. Mas, de um modo geral, Antônio e Amado foram os irmãos titulares que integraram a dupla até o início da década de 80. A foto acima e à esquerda foi gentilmente enviada pelo Radialista, Produtor e Pesquisador Maikel Monteiro de Curitiba-PR (ver abaixo nas Referências Bibliográficas).
Jacó e Jacozinho estrearam no disco em 1962 quando gravaram pelo Selo Sertanejo o arrasta-pé "Papai me Disse" (Jacó - Jacozinho) e a Moda de Viola "Castigo de Fazendeiro" (Sulino - Roque de Almeida). Em 1964 gravaram o primeiro LP (foto acima à direita). A dupla continuou gravando ininterruptamente até 1980, sempre na Continental (hoje Warner), gravadora na qual foi a dupla que mais vendeu discos na década de 1970, ao lado de Tião Carreiro e Pardinho. Calcula-se que Jacó e Jacozinho tenham gravado mais de 40 discos.
A dupla, em sua formação original, fez bastante sucesso principalmente na década de 1960, notabilizando-se com uma vocalização não tradicional, com dissonância e mudanças de tonalidade. E, na mesma época, a dupla atuava na Rádio Nacional de São Paulo, onde eram cartazes num programa que ia ao ar todas as Sextas-Feiras às 20:00. A foto acima e à esquerda foi gentilmente enviada pelo Radialista, Produtor e Pesquisador Maikel Monteiro de Curitiba-PR.
Gravaram músicas de diversos compositores, dentre os quais Lourival dos Santos, Moacyr dos Santos, Sulino, Carreirinho, e também músicas de autoria deles próprios. Calcula-se que aproximadamente 3/4 do repertório da dupla era formado por composições de Lourival dos Santos e Moacyr dos Santos.
Um fato curioso aconteceu em 1974 quando Jacó e Jacozinho resolveram gravar a música humorística "Pepino" (Jacó - Jacozinho) ("Eu não quero mais pepino / nem do grosso nem do fino..."). Como não queriam "confundí-la com o tradicional repertório Caipira Raiz", eles "criaram outra dupla", apenas para cantar as músicas engraçadas: a dupla "Amado e Antônio", integrada pelos mesmíssimos Jacó e Jacozinho, que usaram os próprios nomes de batismo, dupla essa que chegou a gravar três discos!
Tendo gravado mais de duzentas músicas, Jacó e Jacozinho foi também a dupla que mais influenciou Chitãozinho e Xororó, que eram seus fãs e ouviam seus sucessos no rádio da serraria em Astorga-PR, onde viveram a infância.
Em 1980, o Antonio Jacob gravou um disco com o Pedro Jacob, que ocupou o lugar do Jacozinho, já que Amado se encontrava gripado e não podia fazer o disco.
Em 1981, Antonio Jacob (o Jacó da formação original da dupla), faleceu repentinamente, vítima de traumatismo craniano, após uma queda na qual bateu a cabeça.
E em 1982, o Amado Jacob gravou um último disco com o Pedro Jacob para cumprir o contrato na gravadora onde destaca-se a música “Sete Irmãos” um pequeno resumo da vida da dupla e sua família. Dessa vez foi Pedro Jacob que ocupou na dupla o lugar do Jacó, já que Amado era o Jacozinho. Amado e Pedro, no entanto, não seguiram em frente como dupla, pois viviam "em pé de guerra" e não se suportavam...
Pedro Jacob também chegou a gravar 3 discos com a dupla "Jacó e Jacozito" que ele formou com pessoas diferentes que não eram ligadas à família (e antes de seu filho Pedro Rafael assumir com o pai o pseudônimo de Jacozito, como será visto adiante). Pedro na verdade não podia pegar o nome todo da dupla (Pedro e Amado "não se davam", conforme já foi mencionado).
E Amado Jacob, o Jacozinho, em 2001, também gravou 2 CD's, nos quais manteve o nome da dupla "Jacó e Jacozinho", ou seja, tivemos por um período duas duplas, de nomes similares. Na foto acima à esquerda, Amado usa óculos e o outro integrante, de chapéu não faz parte da família.
As duas novas duplas não foram em frente e Jacozinho passou a trabalhar numa empresa de segurança no Estado de São Paulo; em 1992, acometido por uma doença no pulmão, teve que parar de cantar; E veio a falecer em Junho de 2001, vítima de diabetes.
E apareceu um novo talento: Pedro Rafael Jacob que, quando contava 17 anos começou a cantar com seu pai, o Pedro Jacob! Pouco tempo depois, nascia em 1997 a nova dupla "Jacó e Jacozito", apesar do nome Jacozito já ter sido utilizado anteriormente.
Apesar de todas as intrigas de família, pai e filho seguem valorizando a Música Caipira Raiz e seguem com sucesso em sua nova carreira, levando seu repertório a todos os cantos do Brasil em shows que também revivem antigos sucessos da dupla Jacó e Jacozinho.